Escolha uma Página

Duo Alvenaria – Assentando o Reboco

Álbum

2017

Brasília/DF

Baixado 51 vezes!

Ouvir

Sobre

Duo Alvenaria é Ely Janoville (Pífano, Flautas, Violão) e Mariano Toniatti (Pandeiro e Percussões)

Faixas:

1. Azul Borboleta 
2. São Judas Tadeu 
3. Queridos Mestres (ft. Zé do Pife & Carlos Pial) 
4. Reencontros 
5. Arapuã 
6. Acorda Maria Bonita / Se eu Soubesse (ft. Nanãn Matos, Felipe Fiuza & André Costa) 
7. Confluência (ft. Gabi Guedes) 
8. Pra Gente se Encontrar (ft. João Oswald) 
9. Machadinha / Peixinhos do Mar 
10. Jandaias 

* Todas as composições por Ely Janoville e Mariano Toniatti, exceto as faixas 6 e 9, que são de Domínio Público

Sobre o disco:

O disco Duo Alvenaria – Assentando o Reboco é o resultado de um trabalho de anos, no qual o Duo teve a felicidade de contar com uma equipe de peso, tanto em sua produção quanto em sua concepção musical e suas participações. É um passo a frente do EP Tijolo Cru , e graças a todo o aprendizado que estes quatro anos de carreira proporcionaram. Novos conceitos, instrumentações, timbres, contando com duas faixas de domínio público revisitadas e oito novas autorais, passeando por todo o discurso sonoro que já estava presente nas composições anteriores, porém mais conectado a novos ciclos da dupla e seus contextos.

Ficha Técnica:

Produção Musical de Victor Valentim, Dudu Maia e Duo Alvenaria.
Captado e Masterizado por Dudu Maia na Casa do Som.
Mixado por Pedja Babic em Paris.
Arte: Heron Prado e Rodrigo Koshino

Este disco é brindado com as participações especiais de Mestre Zé do Pífe, Carlos Pial, Nãnan Matos, André Costa, Felipe Fiúza, João “Chico” Oswald e Mestre Gabi Guedes (Orquestra Rumpillez).

Sobre o Duo Alvenaria:

Alvenaria: é através da argamassa, uma junção de peças únicas, formando a construção. A proposta do Duo Alvenaria é traçar trajetórias, fusões, construções e desconstruções inovadoras, através de elementos fortes do imaginário musical brasileiro. Seu principal ponto de partida é a música nordestina, e sua imensidão de origens e trocas. Esta formação bebe tanto das fontes tradicionais quanto das não tradicionais, cultura popular, moderna e cosmopolita.

Nascido em Brasília, cujos traços culturais se movimentam em constante formação (e composta por todas as partes do Brasil), o Duo possui como caminho estético e ideológico, ao mesmo tempo, uma ressignificação que reverencie sempre a música brasileira, traduzindo uma tendência natural e orgânica de seu processo criativo. Dispondo de um repertório em sua maioria autoral, este Duo conduz seu público a uma experiência explosiva, dançante e impressionante de uma música instrumental desmistificada, sem que por isso perca seu refinamento e virtuosismo.

Seu trabalho autoral: tanto o material de seu primeiro EP, quanto seu primeiro CD Duo Alvenaria Assentando o Reboco, além de outras novas criações. No que diz respeito a arranjos, todos estão alinhados à sua identidade e discurso sonoro; de clássicos no pífano e no pandeiro trazidos como protagonistas, a fusões de latin jazz com ritmos afro-brasileiros e afro-latinos; assim como conversas inusitadas entre ritmos nordestinos (côcos, frevos, bois, cirandas etc.) com a dinamicidade natural de improvisações e momentos, sem contar com a visita a outros ritmos (ritmos árabes; medievais; ritmos de batidas eletrônica tocados de modo orgânico etc.) e instrumentações (violão, viola caipira, tumbadoras, percuteria, etc). O resultado das composições leva o público à catarse.

O Duo Alvenaria possui como inovador o paradoxo de ser uma pequena formação, por si só simples e crua, que mesmo assim preenche a paisagem sonora, fazendo com que nada falte. Outro diferencial é a maneira com a qual a fusão musical se dá: é notável que o discurso tradicional não se perde, mesmo nas fusões mais extremas pois o processo criativo passa por quantas destilações estéticas forem necessárias para que se atinja uma música coesa e com “cara própria”.


                                     

Projeto Financiado pelo FAC – Fundo de Apoio a Cultura do DF – Secretaria de Cultura do Distrito Federal

Miniestéreo da Contracultura – 2017

Casa do Som – 2017