Escolha uma Página

Tributo à Psicodelia Brasileira

Coletânea

2017

Nacional

Ouvir
Sobre

Celebrando os 50 anos da Psicodelia Brasileira, Miniestéreo da Contracultura, Psico BR Discos & Posters da Psicodelia Brasileira apresentam este tributo cobrindo a mais selvagem, exótica e psicodélica música brasileira.

Ao todo, 14 bandas se uniram nesse projeto que traz novas versões da composições clássicas do gênero. O grupo paulista BIKE, por exemplo, interpreta “Burro Cor De Rosa”, do Serguei; já a banda de Brasília Rios Voadores abre o disco com “Cultura e Civilização”, da Gal Costa; os gaúchos da Catavento tocam “Fobus In Totum”, do obscuro grupo Os Leif´s (em que Pepeu Gomes tocava antes d’Os Novos Baianos); e o recifense Juvenil Silva se une aos Verdes Valterianos para fazer uma versão de “L.S.D.”, do Fábio. A única faixa autoral da colêtanea é “Ácido”, do Molodoys, que fecha o álbum.

Rita Lee, Ronnie Von, Novos Baianos, A Bolha, Módulo 1000, Os Brazões, Som Imaginário e Ave Sangria também foram homenageados no disco.

Organização: Eduardo Kolody – Miniestéreo da Contracultura
Idealização: Fabrício Bizu – Psico BR Discos & Posters da Psicodelia Brasileira
Lançamento: 13 de Junho de 2017

Tributo ao meio século da psicodelia sob os trópicos

Limitada pelos precários estúdios e com uso de instrumentos de segunda linha com qualidade duvidosa, a psicodelia brasileira abre as portas da percepção do rock brazuca desde a segunda metade da década de 1960. As distorcidas guitarras, sintetizadores afinados e letras lisérgicas enfrentaram toda sorte de preconceito para alargar os horizontes da música jovem tupiniquim, ainda enraizada nas arcaicas estruturas conservadoras.

Viveu os primeiros acordes limitadas a guetos de cabeludos e alienados, sem conquistar uma fração da legião de fãs que constitui nos dias atuais. Entretanto, as distorções típicas do subgênero abalariam o status-Quo das patriarcais bases nacionais com a Geleia Geral sugada da antropofágica liberação cultural, made Semana da Arte Moderna de 22.

Capitaneados pelo gênio (salve!) Rogério Duprat, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa e Os Mutantes miraram os nariz contra os chapadões para o Tropicalismo, movimento cultural que bebeu da fonte do psicodelismo. Sem o menor apelo comercial, a lisergia do rock limitou-se num minúsculo universo, mais sintonizado com o movimento hippie e a pouquíssimos e (hoje) e valiosos long-plays e compactos.

Na virada da década seguinte – com Caetano e Gil regressos à nata da MPB mais sofisticas (sic) – a psicodelia desdobrou-se no progressivo e afins, assumindo sonoridades regionais – tempero que faz do prog-brasileiro um dos mais admiráveis pelos fãs do gênero planetário.

Cemitério do samba, como cunhou o poeta Vinícius de Moraes, a cosmopolita e sessentista São Paulo hasteou de forma pioneira a bandeira do verão do amor californiano em solo tupiniquim. Bandas como The Beatniks, Os Baobás, The Galaxies e os santistas da Blow Up ajudaram a consolidar o gênero por aqui. Os argentinos do The Beat Boys, os cariocas d´Os Brazões e do Módulo 1000, os mineiros da A Tribo e os gaúchos Liverpool deixaram obras antológicas, que hoje são objeto de disputa no exterior.

Mas o capítulo espetacular do gênero seria escrito com cerca de 10 anos de atraso, com a invasão pernambucana. Lula Côrtes, Zé Ramalho, Alceu Valença, Geraldo Azevedo, Marconi Notaro, Flaviola e o Bando do Sol e (os Stones do Sertão) Ave Sangria uniu o psicodelismo com as raízes nordestinas.

O brevíssimo histórico acima – que nem preencheria a orelha da história da primeira dentição do rock brasileiro – serve apenas para marcar o primeiro meio século de (sub)existência do psicodelismo sobre os trópicos. A cena de 50 anos atrás tem hoje infinitamente mais admiradores que na época. Prova disso é a novíssima coletânea tributo, com 14 bandas da nova geração cobindo a mais selvagem, exótica e psicodélica música brasileira.

O apanhado de música foi organização pelo Miniestéreo da Contracultura, sob idealização do Psico BR Discos & Posters da Psicodelia Brasileira. A qualidade do som é de surpreender. Aperte o play e boa viagem…

Eduardo Brandão
20 de julho de 2017
Arkie do BRock