Escolha uma Página

Victor Valentim – Bits in (re)Construction

Victor Valentim – Bits in (re)Construction

Single/Compacto Lo-Fi

2015

Brasília/DF

Ouvir

Sobre

 Disco especialmente cortado na Casa Brasilis/SP – (Vinyl-Lab) por Dj Niggas (Vinil é Arte). Single Bits in (re)Construction – produzido especialmente para a performance homônima, realizada em no UVM – Understanding Visual Music 2015 – CCBB/Brasília e exposição Reconvexo Intinerante – Caixa Cultural/Brasília e desenvolvida durante pesquisa de mestrado em Arte e Tecnologia da UnB. Arte, Composição, Produção, Mixagem e Masterização por Victor Valentim – 2015 – Brasília/DF

Descrição:

Construir e desconstruir. A ação do DVJ nos toca-discos, remixando diferentes bases sonoras abre caminho para uma nova abordagem sobre a composição de batidas (beats) e imagens em tempo-real. A abertura tecnológica para recomposição de imagens e sons interativos no contexto das artes computacionais ampliam as formas de relacionar de maneira multissensorial os conteúdos audiovisuais gerados em tempo-real. Bits in (Re)Construction é uma performance audiovisual, realizada com a ampliação do sistema do vinil projetável. Esta ampliação está centrada na produção de conteúdos sonoros e visuais que interagem com a remixagem ao vivo realizada pelo artista. A proposta estético-computacional da obra está dividida entre o desenvolvimento do sistema e a performance e improvisação com os conteúdos sonoros e visuais. Entre os contextos e nichos poéticos que a remixagem se insere como linguagem artística, a ampliação de um sistema próprio para unir a remixagem de sons e vídeos em tempo-real desperta uma série de conceitos entre a técnica e a poética, aliados à experimentação com os recursos tecnológicos ressignificados para a difusão de projetos de arte, tecnologia e inovação.

OBS:

O Lo-Fi é um produto artesanal, feito um-a-um, como um “quadro que toca”. É cortado em uma tecnologia dos anos 50, e pode não funcionar em alguns toca-discos, mais simples, e que não possuem a rotação de 45RPM.

Protofonia – Blavatskundum!

Protofonia – Blavatskundum!

Single – 7 Faixas

2016

Brasília/DF

Baixado 115 vezes!

Ouvir
Sobre

Edição especial da faixa bônus do disco “A Consciência do Átomo” em formato de single dividido em 7 faixas, lançamento digital exclusivo do Miniestéreo da Contracultura, Baixe e ouça na ordem padrão e no modo random do seu player!

Imaginando um bizarro carnaval de rua com blocos ocultistas e místicos, o Protofonia tirou o nome da última música que foi composta para o disco. Nesse inusitado desfile havia os foliões herméticos do Cai Caibalion, Quem Muito Abaixa o Buda Aparece, “Blavatskundum”, entre outros… O motivo inicial foi um velho tema do André Chayb. Um samba pesado composto por influencia do disco “Aurora Vermelha” do guitarrista Fredera. Essa composição foi desenvolvida durante as últimas sessões do álbum, e, por isso, possui uma visão musical mais atual. “Blavatskundum” cravou de vez os elementos brasileiros na nossa constante pesquisa.

A introdução foi originalmente pensada para a bateria de uma escola de samba. Chegamos a falar com alguns membros da escola Acadêmicos da Asa Norte, mas, no fim das contas, foi mesmo Janari quem elaborou e gravou a massa sonora. Ele afinou e pendurou dois bumbos de 22’ com a intenção de soar como surdos de corte. Inicialmente, a composição soa como música contemporânea, mas logo se transmuta em uma grossa camada rítmica com três baterias. Uma liberdade em desuso para overdubs de baterias. Ruídos e barulhos de corrimão de ferro ecoando num reverb natural foram incluídos nessa introdução. Essas intervenções foram gravadas mais uma vez com celulares, dessa vez na escadaria de uma universidade. O tema que abre a faixa se repete em variações, e, a partir delas, as demais estruturas são construídas, até uma explosão branca interromper bruscamente o solo de guitarra. É o começo de uma peça ruidista que se instala, abrindo caminho para o subconsciente da música. Lentamente, a paisagem sonora revela momentos e climas se intercalando, dando sempre importância ao elemento ritmo. O samba não se perde, mesmo quando esse ritmo está oculto. A guitarra soa como um sintetizador, com a combinação de três pedais de efeitos: pitch shifter, delay e cry baby. Em um só take fizemos 18 minutos de telepatia, que foram editados e manipulados, servindo de base, posteriormente, para panelas d’água, vozes e portas, além da cuíca e dos pandeiros gravados e executados por Victor Valentim. Surgindo como uma corda de salvação desse profundo abismo psíquico, uma variação do tema inicial vem finalizar a viagem e nos lembrar de como tudo isso começou.

Faixas:

1 – Ritmo (1:22) 2 – Correspondência (2:38) 3 – Vibração (1:26) 4 – Polaridade (2:08) 5 – Causa e Efeito (2:43) 6 – Mentalismo (0:55) 7 – Gênero (1:05)

Ficha Técnica:

André Chayb – Guitarra, panela com água, voz André Gurgel – Baixo Janari Coelho – Baterias, panela com água, pio, chapa de zinco e bumbos suspensos Victor Valentim – Cuíca e pandeiro Rosa Madalena, Caubi Vilela, André Chayb, Janari Coelho e Alexandre Djodio – Falas

Gravado, Mixado e Masterizado no estúdio Zimmer-Cöllen – Ceilândia-DF por Oldair Vieira (O Clube do Som) Gravações Adicionais (Falas e Percussões) por Victor Valentim no estúdio Protofonia (408 Norte – Brasília/DF) Produção executiva: Victor Valentim Ilustrações: Eduardo Belga Produção Musical: Pedro Baldanza