Escolha uma Página

Molodoys – Metamorphic Fragments

Molodoys – Metamorphic Fragments

Capa
  EP 2015 São Paulo/SP  
Ouvir
Sobre

Em 20 de Julho de 2014, o Molodoys lançou seu primeiro EP, produzido emixado por Gustavo Coutinho, intitulado ‘Metamorphic Fragments’, que reflete a variação em sua influência na música; a atmosfera sóbria e triste que acompanha o ouvinte durante ‘The Sigh of a Devil and The Flesh of an Angel’ contrasta com a energia alegre de ‘As You Put Your Lumberjack Shirt…’ mostra um álbum não só variante entre si quanto variante em relação ao que podemos classificar como rock nos dias atuais.

Lô Cardoso – As Lindas Flores que nunca vi ao vivo

 Lô Cardoso – As Lindas Flores que Nunca Vi ao Vivo

Capa

EP

2016

Guarulhos/SP

Ouvir
Sobre

As profundezas do deserto frutífero do Sul de Minas, coloridas pelas tintas neo-psicodélicas modernas e digitais. É desse surrealismo que vem o primeiro EP do artista paulista/mineiro Lô Cardoso. Paulista/Mineiro porque ele nasceu em SP mas mora e ama MG. Um EP simples, curto e melódico, As Lindas Flores Que Nunca Vi Ao Vivo tem em seu espírito e conteúdo a rusticidade caseira nos timbres e polidez nos arranjos. Produzido inteiramente pelo artista, o EP é uma porta de entrada e um convite de boas vindas para um universo colorido e feliz por pouco mais de 10 minutos.

Aproveite a viagem.

Gustavo Galo – Sol

Gustavo Galo – Sol

Capa

Álbum

2016

São Paulo/SP

Baixado 41 vezes!

Ouvir
Sobre

Em 2016, dois anos depois do lançamento de ASA, Gustavo Galo lança seu segundo disco solo, SOL, sob efeito de algumas experiências como intérprete em “Waly Salomão – Poesia Total” e à frente da Trupe Chá de Boldo, banda da qual faz parte há dez anos. Somado a tais experiências, parte do repertório inicial de SOL, produzido por Gustavo Ruiz, foi animado pela temporada de shows acompanhado somente do violão. As viagens pelo Rio de Janeiro, interior de Minas Gerais e Goiás, serviram para Galo apresentar o seu trabalho de modo direto, desejo explicitado pelos versos de “pra te tocar”, parceria com Marcelo Segreto (Filarmônica de Pasargada): “…eu toco essa canção pra você/ você se tocar/ e se ela toca você/ ao vivo eu vou te cantar…”. Assim que retornou dos shows, o artista convidou Pedro Gongon (bateria: Trupe Chá de Boldo, Juliana Perdigão) e Tomás Oliveira (baixo, synths, piano: Mustache e os Apaches) para se unirem a Gustavo Ruiz (guitarras) e Otávio Carvalho, responsável pela gravação no Submarino Fantástico.

Apesar de um disco autoral, produzido e arranjado totalmente no estúdio, nas sessões de arranjos e gravação, Ruiz preocupou-se em não diminuir o som da banda. Em algumas faixas, amigos como Lucinha Turnbull (responsável pelo arranjo vocal de 3 faixas), Luiz Chagas, Sérgio Sayeg, Juliana Perdigão, Pedro Morais, juntaram-se ao trio, amplificando ainda mais as criações de Galo. Além das canções próprias, algumas em parceria com Iara Renó, Gustavo Cabelo, Júlia Rocha, em SOL, há versões de para criações de Lira, Luís Capucho e “Salto no Escuro”, obra de Jorge Mautner, considerado por Galo um dos artistas que marcaram a invenção deste segundo disco. Agora, portanto, é só dar o salto. E nesta hora em que ainda é noite, curtir o SOL, na voz do Galo.

Ficha técnica

1. até de manhã (gustavo galo)
bateria e percussões: pedro gongon
baixo: gustavo ruiz
guitarras: gustavo ruiz
rhodes: tomás oliveira
voz: gustavo galo

2. tenra terra (iara renó, gustavo cabelo, gustavo galo)
bateria e percussões: pedro gongon
baixo: gustavo ruiz
guitarras: sergio sayeg
rhodes: tomás oliveira
voz: gustavo galo

3. um barato (gustavo galo, júlia rocha)
bateria e percussões: pedro gongon
baixo: tomás oliveira
guitarras: gustavo ruiz
rhodes: tomás oliveira
voz: gustavo galo
vocais: lucinha turnbull

4. pra te tocar (gustavo galo, marcelo segreto)
bateria e percussões: pedro gongon
baixo: tomás oliveira
guitarras: sergio sayeg
rhodes: tomás oliveira
voz: gustavo galo
vocais: juliana perdigão e pedro morais

5. que mal tem? (gustavo galo)
bateria e percussões: pedro gongon
baixo: tomás oliveira
guitarras: gustavo ruiz
piano e synth: tomás oliveira
voz: gustavo galo
vocais: lucinha turnbull

6. grafitesão (gustavo galo)
bateria e percussões: pedro gongon
baixo: tomás oliveira
guitarras: gustavo ruiz
piano: tomás oliveira
voz: gustavo galo
vocais: lucinha turnbull

7. ah se não fosse o amor (lira, dan maia)
bateria e percussões: pedro gongon
baixo: gustavo ruiz
guitarras: luiz chagas
rhodes e synth: tomás oliveira
voz: gustavo galo

8. para pegar (luís capucho)
bateria e percussões: pedro gongon
baixo e piano: tomás oliveira
guitarras: luiz chagas
violão: gustavo ruiz
synths: quincas moreira
vozes: gustavo galo e júlia rocha

09. salto no escuro (jorge mautner, nelson jacobina)
voz e violão: gustavo galo
guitarra: gustavo ruiz

10. um sol (gustavo galo)
voz e guitarra: gustavo galo

Clube dos Bagres – Histórias mal contadas em quase canções

Clube dos Bagres – Histórias mal contadas em quase canções

 

Capa

EP

2014

Goiânia/GO

Ouvir

Sobre

Histórias mal contadas em quase canções é o primeiro lançamento do Clube dos Bagres, cujo síndico é Bruno Morabati, vocalista e multi-instrumentista que compôs as quatro quase-canções do EP. Música popular chapada e descompromissada, na mesma tradição da psicodelia sertaneja produzida no cerrado, onde o músico residiu por alguns anos respirando os fungos alucinógenos e bebendo a água com césio 137 de Goiânia. Talvez tenha até mesmo levado na mala um Leprechau, que roubou seu disco do Loki quando o músico aportou novamente em Franca, local de gravação das músicas.

A pegada simples do violão bem tocado de Bruno possui humor irônico, quase britânico, como alguns trechos de Suga Sugar, faixa que abre o EP: Eu quero você/ Super feliz e idiota/ Burro feito porta/ Contente que nem nota a confusão (…) Oh não! ‘Give your card number baby/ Credit or debit? Ohw, it’s your choice’/ Não preciso que você me entenda/ Só quero que você saiba que eu estou à venda”. Sem medo de puxar o sotaque nem de discutir bad vibes, as músicas não tem o sabor amargo que costumamos a escutar no mundo indie – tem sabor de fruta madura brazuca: “Só você não vê que essa poltrona te pegou/Você segura o rato pela mão/ e a outra vai à cabeça”. Se essas histórias estão mal contadas foi afasia depois de muito som bem bolado. Então relaxa, pega o fogo, põe na massa, solta o bumbo e a fumaça.

Barra Funda Fighters

Barra Funda Fighters

 

Capa

EP

2015

São Paulo/SP

Ouvir
Sobre

As cinco músicas desse primeiro registro da Barra Funda Fighters dão uma amostra do repertório mezzo popular/mezzo esquizofrênico da banda: Barra Funda Fighters abre os trabalhos com um chute nos dentes hardcore e, na sequência, Estágio Lunar mantém o mesmo peso, adicionando um pouco de groove com sua mudança de andamento. Em seguida, a dobradinha pop do EP, Skatopia, que joga surf music e ska na mesma panela, e União Soviética II, apostando no equilíbrio entre potência e dinâmica, abrem caminho para Faixa Um – primeira música composta pela banda –, que fecha os trabalhos com seu riff intenso e seu tranquilo interlúdio, quase um microcosmo do repertório ao vivo da BFF. Com essa primeira gravação, a Barra Funda Fighters tenciona chutar a porta da frente das trilhas sonoras de novela e se tornar a maior banda de todos os tempos. Se não der, eles muito alegremente se contentam em entrar educadamente pela porta dos fundos do underground e viver pra sempre tocando pra cinco amigos pelos buracos da Barra Funda (e adjacências). Seria um belo mundo…